O engano da salvação pelas obras

T. A. McMahon   •   4 Março, 2013
DestaqueNotícias
“Não anulo a graça de Deus; pois, se a justiça é mediante a lei, segue-se que morreu Cristo em vão” (Gálatas 2.21). Quando comparamos o Cristianismo Bíblico com as religiões do mundo, utilizando as Escrituras para nos guiar, vemos que a lacuna entre eles é intransponível. Na verdade, somos forçados a concluir que realmente há apenas duas religiões no mundo: o Cristianismo Bíblico de um lado, e todas as outras religiões, de outro. (Refiro-me ao cristianismo bíblico como uma “religião” apenas para propósitos comparativos: uma religião é um sistema de crenças elaboradas pelo homem, enquanto que o Cristianismo Bíblico é o que Deus revelou à humanidade). Essas duas “religiões” são diferenciadas principalmente por aquilo que ensinam a respeito da salvação – como uma pessoa pode chegar ao Céu, ao Paraíso, ao Valhalla, ao Nirvana ou à morada de Deus, ou seja lá o que as pessoas crêem sobre a vida após a morte. Cada uma pode ser classificada em uma destas categorias: (1) o que o ser humano tem de realizar ou (2) o que Deus consumou (através de Jesus). Em palavras mais simples: a religião do “Fazer” ou a do “Feito”. Estou me referindo ao fato de que: (1) ou há coisas que devemos fazer (realizações humanas) ou (2) não há nada que possamos fazer porque tudo já foi feito (consumação divina) para ganharmos a entrada no céu. Apenas o Cristianismo bíblico está na categoria de consumação divina. Todas as outras religiões do mundo devem ser classificadas sob o rótulo de realizações humanas. Consideremos primeiro algumas das religiões mais importantes, como o hinduísmo, o budismo, o islamismo, o judaísmo e determinadas denominações ou seitas que professam ser cristãs.
O hinduísmo é um sistema de obras que envolve a prática de yoga, cuja finalidade jamais foi melhorar a saúde de alguém (contrariamente ao que muitos ouviram falar).
O hinduísmo tem cerca de 330 milhões de deuses que precisam ser apaziguados por meio de algum tipo de ritual. Dois anos atrás, fiz uma visita a um enorme templo hindu nas vizinhanças de Chicago. O estacionamento estava repleto de carros luxuosos. O revestimento era de pedras importadas da Itália. Não foram poupados recursos financeiros na construção. Do lado de dentro, médicos, advogados e engenheiros, dentre outros (de acordo com meu guia turístico), estavam servindo refeições aos ídolos: a Hanuman, o deus-macaco, e a Ganesha, o deus-elefante. O hinduísmo é um sistema de obras – coisas que a pessoa precisa fazer para atingir o moksha, que é o paraíso hindu. Ele envolve a prática de yoga, cuja finalidade, contrariamente ao que muitos ouviram falar, jamais foi melhorar a saúde de alguém. Em vez disso, é um meio de morrer para seu próprio corpo na esperança de se livrar do âmbito físico. Isso supostamente une a pessoa a Brahman, a suprema deidade do hinduísmo. A reencarnação, um sistema que supostamente capacita a pessoa a construir seu caminho para o céu através de muitos nascimentos, mortes e renascimentos, é outro dos ensinamentos dessa religião. O budismo também se baseia primeiramente em obras. Buda cria que a chave para se alcançar o Nirvana, que é alegadamente o estado de perfeição e de felicidade, é através de um entendimento das Quatro Nobres Verdades, e através da prática do Nobre Caminho Óctuplo. Em essência, as Quatro Nobres Verdades declaram que nós suportamos o sofrimento por causa de nossos desejos ou de nossos anelos. Essas “Verdades” afirmam que o sofrimento cessará quando pararmos de tentar satisfazer aqueles desejos. De acordo com o budismo, podemos atingir isso seguindo o Nobre Caminho Óctuplo, o qual possui os elementos da “visão correta, intenção correta, fala correta, ação correta, sustento correto, esforço correto, cuidado correto, e concentração correta”. Tudo isso é feito por meio dos esforços humanos, isto é, “por se fazerem as coisas corretas” a fim de se atingir o Nirvana. No islamismo, o paraíso é obtido quando Alá pesa as obras boas e os feitos maus em uma balança no Dia do Julgamento. O Alcorão declara: “Pois as coisas que são boas removem as que são más” (Sura 11:114). É um processo quantitativo. As boas obras devem ultrapassar ou obscurecer os feitos maus. Também se lê no Alcorão: “A balança daquele dia será verdadeira: Aqueles cuja balança [de boas obras] tiver bastante peso prosperarão: Aqueles cuja balança for leve terão suas almas na perdição” (Sura 7:8,9). Eis aqui um exemplo interessante daquilo que um muçulmano enfrenta para chegar ao paraíso: no dia 3 de abril de 1991, a revista egípcia Akher Saa registrou um debate acalorado entre quatro mulheres jornalistas e o sheik Dr. Abdu-Almonim Al-Nimr, que ocupa uma posição elevada na Universidade Islâmica Al-Azhar (no Cairo, Egito, a mais prestigiosa instituição islâmica sunita). Uma das jornalistas perguntou-lhe: “No islamismo, as mulheres são obrigadas a usar o jihab [um véu ou uma cobertura para a cabeça]? Se eu não usar ojihab, irei para o inferno a despeito de minhas outras boas obras? Estou falando sobre a mulher decente que não usa o jihab”.
O Alcorão declara: “Pois as coisas que são boas removem as que são más” (Sura 11:114). É um processo quantitativo. As boas obrasdevem ultrapassar ou obscurecer os feitos maus.
O Dr. Al-Nimr respondeu: “As ordenanças no islamismo são muitas, minha filha, e Alá nos faz prestar contas por cada uma delas. Isso significa que, se você agir de acordo com aquela ordenança, ganha um ponto. Se você negligenciar uma ordenança, perde um ponto. Se você orar, ganha um ponto; se você não jejuar, perde um ponto; e assim por diante”. E ele continuou: “Eu não inventei uma nova teoria. (...) Para cada homem há um livro no qual todas as suas boas obras e os seus feitos maus são registrados, até mesmo como tratamos nossos filhos”. A jornalista disse: “Isso significa que, se eu não usar o jihab, não irei para o fogo do inferno sem que se leve em consideração o restante de minhas boas obras”. O Dr Al-Nimr replicou: “Minha filha, ninguém sabe quem irá para o fogo do inferno. (...) Eu posso ser o primeiro a ir para lá. O califa Abu-Bakr Al-Sadik disse: “Não tenho a menor confiança nos esquemas de Alá, mesmo que um de meus pés esteja dentro do paraíso, quem poderá determinar qual obra é aceitável e qual não é?”. Você faz tudo o que pode, e a prestação de contas é com Alá. Peça a ele que a aceite”. No judaísmo, o céu é alcançado por aquele que guarda a Lei e seus cerimoniais. Obviamente, isso não é consistente com o que o Tanakh [Antigo Testamento] ensina, mas essa tem sido a prática do judaísmo por milênios. Como disse Jesus: “E em vão me adoram, ensinando doutrinas que são preceitos de homens” (Mateus 15.9). Suas palavras também se aplicam a uma série de denominações e cultos “cristãos” que enfatizam as obras como sendo necessárias para a salvação. Os Testemunhas de Jeová, os Mórmons, os Adventistas do Sétimo Dia, os adeptos da Igreja de Cristo, os Católicos Romanos, os membros das igrejas Ortodoxas Oriental e Russa, muitos Luteranos, e inúmeros outros. Todos incluem algo que precisa ser realizado ou que é necessário para a salvação, seja o batismo, os sacramentos, ou a filiação a uma determinada organização e a observância de seus requisitos. Aqui está um exemplo extraído dos primeiros 30 anos de minha própria vida como católico romano. Eu vivia por um sistema religioso de leis, muitas das quais os católicos são obrigados a guardar. O começo é o batismo. Se uma pessoa não é batizada, a Igreja diz que ela não pode entrar no céu. A Igreja também diz que, embora o batismo seja exigido, ele não é nenhuma garantia. Existem muitas outras regras que um católico tem que observar.
Há obrigações que um católico deve satisfazer com respeito tanto às crenças quanto às obras.
Tenho um livro em meu escritório chamado Código da Lei Canônica. Ele contém 1.752 leis, muitas das quais afetam o destino eterno de uma pessoa. Os pecados reconhecidos pela Igreja Católica Romana são classificados como mortais ou veniais. Um pecado mortal é aquele que amaldiçoa uma pessoa, condenando-a ao inferno, se essa pessoa morrer sem tê-lo confessado e sem ter sido absolvida dele por um sacerdote. Um pecado venial não precisa ser confessado a um sacerdote, mas, confessado ou não, todo pecado acrescenta tempo de punição à pessoa. O pecado venial deve ser expiado aqui na terra através do sofrimento e das boas obras ou então ser purgado nas chamas do purgatório após a morte da pessoa. Há obrigações que um católico deve satisfazer com respeito tanto às crenças quanto às obras. Por exemplo, a pessoa precisa crer que Maria foi concebida sem pecado (um evento chamado de Imaculada Conceição). Se um católico não crer nisso, ele comete um pecado mortal, que carrega a penalidade da perdição eterna. O dia da Imaculada Conceição é dia santo de guarda, dia em que todos os católicos devem assistir à missa. A pessoa que não fizer assim pode estar cometendo um pecado mortal. Todos os sistemas de crenças que mencionei, e também muitos outros, consistem em fazer ou não fazer determinadas coisas para alcançar o “céu”. Todos são baseados nas realizações humanas. Mas, e o Cristianismo Bíblico? É diferente? Como?
Muitos sistemas de crenças consistem em fazer ou não fazer determinadas coisas para alcançar o “céu”. Todos são baseados nas realizações humanas.
Efésios 2.8-9 deixa claro: “Porque pela graça sois salvos, mediante a fé; e isto não vem de vós; é dom de Deus; não de obras, para que ninguém se glorie”. Isso é bem direto. Nossa salvação não tem nada a ver com nossas realizações. O versículo 8 nos diz que é pela graça que somos salvos. A graça é um favor imerecido. Se qualquer mérito estiver envolvido, não pode ser graça. A graça é um presente de Deus. Portanto, se for pela graça, não pode ser pelas obras. Isso parece bastante óbvio. Alguém trabalha duramente por um mês e seu patrão chega até ele, com seu cheque de pagamento na mão, e diz: “Muito bem, José, aqui está o seu presente!” Não! José trabalhou por aquilo que está sendo pago. Não há nenhum presente envolvido. No que se refere a um trabalhador, Romanos 4.4 nos diz que seu salário é o pagamento por aquilo que seu empregador lhe deve, e que seu cheque de pagamento não tem nada a ver com a graça nem com um presente. Um trabalhador que fez um bom trabalho pode se gabar ou sentir orgulho por aquilo que realizou. Todavia, tudo isso é contrário à graça ou a um presente. A graça não dá lugar para nenhuma sensação de mérito próprio, e um presente liquida qualquer sensação de algo que foi merecido ou que foi entregue em pagamento por serviço prestado. O ensinamento de Paulo aos efésios é reafirmado na Epístola a Tito: “Quando, porém, se manifestou a benignidade de Deus, nosso Salvador, e o seu amor para com todos, não por obras de justiça praticadas por nós, mas segundo sua misericórdia, ele nos salvou mediante o lavar regenerador e renovador do Espírito Santo, que ele derramou sobre nós ricamente, por meio de Jesus Cristo, nosso Salvador, a fim de que, justificados por graça, nos tornemos seus herdeiros, segundo a esperança da vida eterna” (Tito 3.4). Podemos perceber que isso é consistente com Efésios 2.8-9. Não é por meio de nossas obras que somos salvos – não é por meio de obras de justiça que fizemos – somos salvos por meio da misericórdia dEle. Você pode muito bem imaginar que, como católico romano, condicionado por uma vida de regras e rituais da Igreja, tive grande dificuldade para crer que a fé era a única base por meio da qual eu poderia entrar no céu. Isso não fazia sentido para mim.
“Porque pela graça sois salvos, mediante a fé; e isto não vem de vós; é dom de Deus” (Efésios 2.8)
Bem, não apenas faz sentido, mas é a única maneira por meio da qual uma pessoa pode ser salva. Isso é algo miraculosamente sensato! Primeiro, o que impede uma pessoa de ir para o céu ou de desfrutar da vida eterna com Deus? Sabemos que a resposta é “o pecado”. Segue abaixo uma pequena amostra de versículos que se aplicam: “Pois todos pecaram e carecem da glória de Deus” (Romanos 3.23); “Porque o salário do pecado é a morte” (Romanos 6.23); “Mas as vossas iniqüidades fazem separação entre vós e o vosso Deus” (Isaías 59.2); “A alma que pecar, essa morrerá” (Ezequiel 18.20); “E o pecado, uma vez consumado, gera a morte” (Tiago 1.15). Em Gênesis 2, Deus explica a Adão as conseqüências da desobediência a Ele. Adão foi admoestado a não comer de um determinado fruto no Jardim do Éden. Esse foi um mandamento relacionado com a obediência e o amor – e não que Deus estivesse retendo algo de Adão, como sugeriu a Serpente. Lembramos que Jesus disse: “Se alguém me ama, guardará a minha palavra”, ou seja, guardará os Seus ensinamentos (João 14.23). Nosso amor por Deus é demonstrado por nossa obediência. Qual foi a penalidade estabelecida por Deus para a desobediência? Gênesis 2.17 diz:“Porque, no dia em que dela comeres, certamente morrerás”. Adão e Eva amaram a si mesmos mais do que a Deus porque não “guardaram a palavra dEle”. Eles Lhe desobedeceram e a conseqüência foi a morte. “Porque, no dia em que comessem do fruto, certamente morreriam”. Nas Escrituras, a morte sempre envolve a separação, e, no julgamento de Deus sobre eles, duas aplicações são encontradas: (1) a morte física (a degeneração do corpo, levando finalmente à sua separação da alma e do espírito), e (2) a separação eterna de Deus. Adão e Eva não morreram instantaneamente, mas o processo de morte começou naquele momento para eles e para toda a criação. Entretanto, seu relacionamento espiritual com Deus mudou imediatamente e para sempre. O julgamento de Deus pelo pecado é eterno: separação de Deus para sempre. É uma penalidade infinita. E Deus, que é perfeito em todos os Seus atributos, inclusive em justiça, tinha que efetuar a punição. Deus não podia permitir que eles saíssem em segredo e simplesmente tivessem uma nova oportunidade. Isso teria significado que Ele não era perfeitamente fiel à Sua Palavra. A penalidade tinha que ser paga.
Adão e Eva não morreram instantaneamente quando desobedeceram,  mas o processo de morte começou naquele momento para eles e para toda a criação. Entretanto, seu relacionamento espiritual com Deus mudou imediatamente e para sempre. O julgamento de Deus pelo pecado é eterno: separação de Deus para sempre.  Então, o que Adão e Eva poderiam fazer?
Então, o que Adão e Eva poderiam fazer? Nada, exceto morrer física e espiritualmente, que é ficar separado de Deus para sempre. E, o que o restante da humanidade pode fazer, visto que todos pecaram? Nada. Bem, alguém pode perguntar: E o que acontece se nós fizermos todo tipo de boas obras que possam suplantar nossos pecados, ou se formos sempre à igreja, ou se formos batizados, fizermos obras religiosas, recebermos os sacramentos e assim por diante? Nenhuma dessas coisas pode nos ajudar. Por quê? Porque elas não pagam a penalidade. Então, o que podemos fazer? Não há nada que possamos fazer, exceto pagarmos nós mesmos a penalidade, sendo separados de Deus para sempre. Nossa situação seria absolutamente sem esperanças; entretanto, Deus possui alguns outros atributos além de ser perfeitamente justo. Ele também é perfeito em amor e em misericórdia! “Porque Deus amou o mundo de tal maneira” que enviou Seu Filho unigênito para pagar a penalidade em nosso lugar (João 3.16). E isso é exatamente o que Jesus fez na Cruz. É incompreensível para nós que, durante aquelas três horas de trevas – quando bradou: “Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste?” (Mateus 27.46) – Ele tomou sobre Si os pecados do mundo e sofreu a ira de Seu Pai em nosso lugar. Na Cruz, Ele [provou] a morte por todo homem” (Hebreus 2.9), ou seja, Ele experimentou e pagou a penalidade infinita pelos pecados de todos nós. Quando aquele feito divino terminou, Jesus clamou, “Está consumado!” (João 19.30),significando que a penalidade havia sido paga totalmente. Foi uma realização divina porque era algo que apenas Deus poderia fazer! Deus tornou-Se homem e morreu fisicamente porque a morte física fazia parte da penalidade. Todavia, como Deus-Homem, Ele pôde experimentar completamente a penalidade que cada pecador experimentaria, a saber, ser espiritualmente separado de Deus para sempre. A justiça de Deus exige pagamento. Ou pagamos a penalidade nós mesmos, ou nos voltamos para Jesus pela fé e recebemos os benefícios de Sua expiação sacrificial. O que lemos em Romanos 6.23? “Porque o salário do pecado é a morte, mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna em Cristo Jesus, nosso Senhor”. A Bíblia não poderia ser mais clara em afirmar que a salvação é exclusivamente “o dom gratuito de Deus”, e que apenas podemos apropriar-nos desse presente por meio da fé. Qualquer tentativa de merecer a salvação por meio de nossas obras não é apenas fútil – é impossível! “Pois qualquer que guarda toda a lei, mas tropeça em um só ponto, se torna culpado de todos” (Tiago 2.10). E, ainda pior, tentar merecer a salvação é uma negação da infinita penalidade imposta por Deus, uma rejeição do “dom inefável” de Deus, e um repúdio ao que Cristo realizou por nós. Isso é algo em que a maioria dos evangélicos costumava crer. Já não é mais o caso, uma vez que a apostasia ganha espaço nos Últimos Dias. Recentemente, um levantamento de um instituto de pesquisas (feito com mais de 40 mil americanos) verificou que 57% daqueles que diziam ser evangélicos não criam que Jesus é o único caminho para o céu. Como Jesus é o único que proporciona a consumação divina, tudo o que resta é o engano fútil das realizações humanas para se alcançar a salvação. (T. A. McMahon - TBC -http://www.chamada.com.br)

T. A. McMahon

  1. eu disse:

    “Meus irmãos, que aproveita se alguém disser que tem fé, e não tiver as obras? Porventura a fé pode salvá-lo? ”
    Tiago 2:14
    E, se o irmão ou a irmã estiverem nus, e tiverem falta de mantimento quotidiano,
    E algum de vós lhes disser: Ide em paz, aquentai-vos, e fartai-vos; e não lhes derdes as coisas necessárias para o corpo, que proveito virá daí?
    Assim também a fé, se não tiver as obras, é morta em si mesma.
    Mas dirá alguém: Tu tens a fé, e eu tenho as obras; mostra-me a tua fé sem as tuas obras, e eu te mostrarei a minha fé pelas minhas obras.
    Tu crês que há um só Deus; fazes bem. Também os demônios o crêem, e estremecem.
    Mas, ó homem vão, queres tu saber que a fé sem as obras é morta?
    Porventura o nosso pai Abraão não foi justificado pelas obras, quando ofereceu sobre o altar o seu filho Isaque?
    Bem vês que a fé cooperou com as suas obras, e que pelas obras a fé foi aperfeiçoada.
    Tiago 2:15-22

  2. Sebastião disse:

    Para calar aqueles que acham que a salvação é somente pela fé: Tiago, capítulo 2:
    14 Meus irmãos, qual é o proveito, se alguém disser que tem fé, mas não tiver obras? Pode, acaso, semelhante fé salvá-lo?

    15 Se um irmão ou uma irmã estiverem carecidos de roupa e necessitados do alimento cotidiano,

    16 e qualquer dentre vós lhes disser: Ide em paz, aquecei-vos e fartai-vos, sem, contudo, lhes dar o necessário para o corpo, qual é o proveito disso?

    17 Assim, também a fé, se não tiver obras, por si só está morta.

    18 Mas alguém dirá: Tu tens fé, e eu tenho obras; mostra-me essa tua fé sem as obras, e eu, com as obras, te mostrarei a minha fé.

    19 Crês, tu, que Deus é um só? Fazes bem. Até os demônios crêem e tremem.

    20 Queres, pois, ficar certo, ó homem insensato, de que a fé sem as obras é inoperante?

    21 Não foi por obras que Abraão, o nosso pai, foi justificado, quando ofereceu sobre o altar o próprio filho, Isaque?

    22 Vês como a fé operava juntamente com as suas obras; com efeito, foi pelas obras que a fé se consumou,

    23 e se cumpriu a Escritura, a qual diz: Ora, Abraão creu em Deus, e isso lhe foi imputado para justiça; e: Foi chamado amigo de Deus.

    24 Verificais que uma pessoa é justificada por obras e não por fé somente.

  3. Antônio Marcos de Souza disse:

    A Salvação é pela fé , sem a qual nunca seríamos salvos, mesmo com obras, caso tivessemos.
    Se a salvação fosse pelas obras , ninguem seria salvo, seria sim condenado e para sempre no inferno. Jesus disse: quem crer em mim será salvo. Neste capítulo do livro de tiago, o autor explica que quem crê em Jesus, tem mudança de vida mostrado pela obra da regeneração em Cristo Jesus. O crente que crê em Jesus, passa a ter obras de renuncia ao pecado, passa a ter obras do verdadeiro amor de Cristo em sua vida, mas não quer dizer que estas obras salvam. O que salva o crente é a fé em Jesus. Se não fosse assim, como aquele malfeitor que estava na cruz ao lado de cristo foi salvo? A obra daquele malfeitor era má e ele creu em Jesus à beira da morte e o que Jesus falou com ele? ainda hoje estara comigo no paraíso….
    claro que a salvação é pela fé. Leiem bastante Romanos…..

  4. Sebastião disse:

    Engraçado. Em nenhum momento o texto cita Tiago, capítulo 2. Isso é típico do protestantismo, para defender suas opiniões, citam uns textos bíblicos que vão de encontro ao que pensam, mas escondem outros que vão contra ao que pensam. A salvação não é somente pela fé, mas pela fé e pelas obras. O texto é no mínimo leviano, quando direciona apenas para um texto biblico, quando esconde o que está escrito em Tiago, capítulo 2. Na verdade isso vem do doente martinho lutero, que pregava a salvação somente pela fé. Teria martinho lutero declarado que devíamos pecar muito e sempre, pois por termos fé já estaríamos salvo. Além das coisas absurdas que o mesmo declarou sobre Deus e Jesus. Eis as palavras de Martinho Lutero: “Quem mata um camponês faz o que é certo”. Todo livro de história tem essa frase de Lutero. mais textos de lutero, que aliás, era anti-semita: “”A Alemanha deve ficar livre de judeus, aos quais após serem expulsos, devem ser despojados de todo dinheiro e jóias, prata e ouro, e que fossem incendiadas suas sinagogas e escolas, suas casas derrubadas e destruídas”.; e tantos outros textos absurdos sobre Deus e Jesus, que se fosse citar aqui, este espaço não caberia.

  5. Antônio Marcos de Souza disse:

    Você que defende que obra salva? você a tem? Você é mesmo bom? será????????.. será??? !! ? e ai??? Amigo se fossemos salvos por obras estariamos todos condenados. Não há um justo, nem um… disz a bíblia… Somos Salvo pela fé em Jesu Cristo. E Jesus regenera aqueles que creiem e estes passam por uma purificação em Jesus e suas obras em jesus testificam que Creem em Jesus. Portanto o que salva é jesus e não a obra. A obra que o homem passa a fazer é porque é filho de Deus. E os filhos de Deus são somente aqueles que creem em Jesus e os que não creem são somente criatura.

    1. Evilázio disse:

      Mas temos que guardar a lei meu amigo. Analise comigo o que o texto diz “pela graças sois salvos”. Ok já sabemos que somos salvos pela graça, mas somos salvos do que exatamente? Somos salvos do pecado certo? então se somos salvos do pecado, o que é pecado? “Todo aquele que pratica o pecado também transgride a lei, porque o pecado é a transgressão da lei.” (1 João 3:4). se não tem lei não tem pecado, e se não tem pecado não tem graça. É por isso que eu te aconselho a estudar a bíblia, também te aconselho a procurar uma Igreja Adventista do Sétimo Dia, pois lá você encontrará as respostas de todas a suas dúvidas, Um abraço e que o Espirito Santo te ilumine e te aconselhe.

  6. Raul disse:

    A questão sobre Tiago 2 já foi explicada no outro tema deste site intitulado “Os fatos sobre o catolicismo romano”.

    Mas, e sobre os outros apóstolos, além de Paulo e Tiago? O que falaram eles? O que disse, por exemplo, João?

    “Para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna” (João 3:15).

    Por acaso, está escrito na Bíblia: “Para que todo aquele que nele crê (e tenha boas obras) não pereça, mas tenha a vida eterna” ?

    E o famoso verso de João 3:16:

    “Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna”.

    Esse verso poderia ter sido escrito “… para que todo aquele que nele crê, segue a lei e faz boas obras não pereça, …”. Mas não foi dada essa ênfase no cumprimento da lei e na realização de boas obras.

    João ainda ensinou, de forma clara: “Na verdade, na verdade vos digo que aquele que crê em mim tem a vida eterna” (cap. 6, verso 47). A vida eterna, sendo, pois, a salvação do pecador.

    Por fim, ele completou: “Na verdade, na verdade vos digo que aquele que crê em mim também fará as obras que eu faço, e as fará maiores do que estas, porque eu vou para meu Pai” (João 14:12). João explicou que o que crê fará (por estar capacitado pelo Espírito Santo) as obras de amor, bondade e justiça que o próprio Cristo fez!

    Atos 13:39 coloca, encerrando a questão: “E de tudo o que, pela lei de Moisés, não pudestes ser justificados, por ele é justificado todo aquele que crê”. Pelo cumprimento completo da lei Mosaica, pelas obras, ninguém conseguiu (e nem consegue) ser justificado, mas pelo Cristo é justificado todo aquele que nele crê, por meio da fé salvífica pessoal !

  7. Sebastião disse:

    Para acabar com a dúvida, cito as próprias palavras de Jesus. Quem vale mais, as palavras dos apóstolos ou a do próprio Jesus? Veja o que Jesus fala sobre as boa obras:
    Mateus 25:36-46
    36 necessitei de roupas, e vocês me vestiram; estive enfermo, e vocês cuidaram de mim; estive preso, e vocês me visitaram’.
    37 “Então os justos lhe responderão: ‘Senhor, quando te vimos com fome e te demos de comer, ou com sede e te demos de beber?
    38 Quando te vimos como estrangeiro e te acolhemos, ou necessitado de roupas e te vestimos?
    39 Quando te vimos enfermo ou preso e fomos te visitar?’
    40 “O Rei responderá: ‘Digo a verdade: O que vocês fizeram a algum dos meus menores irmãos, a mim o fizeram’.
    41 “Então ele dirá aos que estiverem à sua esquerda: ‘Malditos, apartem-se de mim para o fogo eterno, preparado para o Diabo e os seus anjos.
    42 Pois eu tive fome, e vocês não me deram de comer; tive sede, e nada me deram para beber;
    43 fui estrangeiro, e vocês não me acolheram; necessitei de roupas, e vocês não me vestiram; estive enfermo e preso, e vocês não me visitaram’.
    44 “Eles também responderão: ‘Senhor, quando te vimos com fome ou com sede ou estrangeiro ou necessitado de roupas ou enfermo ou preso, e não te ajudamos?’
    45 “Ele responderá: ‘Digo a verdade: O que vocês deixaram de fazer a alguns destes mais pequeninos, também a mim deixaram de fazê-lo’.
    46 “E estes irão para o castigo eterno, mas os justos para a vida eterna”.

    Está bem claro: Quem não fizer boas obras irão para o castigo eterno, pois será incapaz de promover justiça.

    O problema do protestantismo é que para defender as suas doutrinas, ignoram até mesmo as próprias palavras de Jesus. E as boas obras não são as obras do espírito, para com Deus, como pregam os testemunhas de Jeová, mas sim, as boas obras para com o próximo. Pois como poderíamos amar a Deus se formos incapazes de amar ao próximo? Como Jesus falou: “Amai-vos uns aos outros, como eu vos amei”.
    E concluindo: “Crês, tu, que Deus é um só? Fazes bem. Até os demônios creem e tremem”. Tiago, capítulo 2, versículo 19.

  8. Raul disse:

    Para acabar com as dúvidas, não podemos deixar de lembrar que o profeta Isaías falou que todas as nossas justiças (advindas de boas obras) são como trapo da imundícia e as nossas iniquidades como um vento nos arrebatam (Isaías 64.6). Assim, só a misericórdia divina e não as nossas obras de justiças nos salvam: “Não por obras de justiças praticadas por nós, mas segundo a sua misericórdia, ele nos salvou” (Tito 3.5).

    E foi JESUS quem falou: “Na verdade, na verdade vos digo que aquele que crê em mim tem a vida eterna” (João 6:7). O apóstolo João apenas escreveu (reproduziu) as palavras do Senhor, nesse versículo bíblico. Jesus não enfatizou, ou lembrou, algo do tipo “Na verdade, na verdade vos digo que aquele que crê em mim, que segue a lei e faz boas obras tem a vida eterna”.

    Os evangélicos reconhecem que as boas obras são muito importantes pois elas testificam que a pessoa foi feita filha de Deus, que teme ao Senhor e que buscar andar segundo os preceitos e a vontade divina. Praticar boas obras passa a ser natural, corriqueiro, o contrário do que acontece com o homem carnal (não salvo), alegrando o espírito do verdadeiro cristão e agradando a Deus. Os evangélicos não se acomodam na ideia de que se basta a fé então não se precisa praticar boas obras. O próprio Espírito Santo que passou a habitar naquele que foi salvo leva a pessoa a buscar praticar, constantemente, as boas obras. Quando ela falha, em algum momento, é porque, infelizmente, ela não deixou o Espírito Santo agir nela.

    Que o Senhor ilumine o entendimento dos amados irmãos católicos romanos e os abençoe para que encontrem sua salvação pessoal. Afinal, Jesus morreu na cruz, em sacrifício único e perfeito, para que todo aquele que crê que Ele morreu em nosso lugar encontre sua salvação do poder do pecado, agora, já, enquanto somos carne, enquanto temos a opção de crer e aceitar ao Cristo como nosso único e suficiente Salvador !

  9. pastor Davi Santos disse:

    Podemos observar em todos os textos biblicos, que a fé é primordial para a salvação, isso é indiscutivel, e sabemos que uma fé sem obras é morta, obras não salva ninguem, pois podemos ver muitos homens sem fé em cristo fazendo boas obras mediante a suas filosofias de pensamento de irmandade, fraternidade e etc…o que deveriamos saber separar é Salvação de galardão… Salvação foi algo conquistado na cruz, mediante a Graça (favor imerecido), foi Deus quem conquistou para que todo aquele que tenha fé …
    Galardão, é uma recompença recebido por algo realizado (obras),….

  10. Valter disse:

    Infelismente as pseudos seitas, não dão o braço a torcer, em assumir o erros de séculos começado por LUTERO, que confundiu OBRAS DA LEI, com as obras cristãs.

    INCURSISÃO, HOLOCAUSTO, TRADIÇÕES E RITUAIS, que faziam parte da LEI, Ao qual JESUS ABOLIU, São estas obras que não salvarão ninguém.

    Infelizmente as maiores comunidades religiosas que detem o poder de controle dos cristãos, são a que estão mais afundadas no erro, a tai a prova diante de todos !

    “Sabendo que não foi com coisas corruptíveis, como prata ou ouro, que fostes resgatados da vossa vã maneira de viver que por tradição recebestes dos vossos pais,” (1 Pedro 1:18)

    “Como acima diz: Sacrifício e oferta, e holocaustos e oblações pelo pecado não quiseste, nem te agradaram (os quais se oferecem segundo a lei).” (Hebreus 10:8)

    “Porque, quando estávamos na carne, as paixões dos pecados, que são pela lei, operavam em nossos membros para darem fruto para a morte.” (Romanos 7:5)

    A LEI era limitada e falha por causa das tradições humanas, contidas nela, Mais jesus as aboliu e ensinou novos ensinamento, e neles estão contidos a lei do amor pelas obras.

    Mais infelizmente muitos usam a bíblia para transformar os Cristão em arvores frondosas sem frutos.

    E POR ISSO FOI PROFETIZADO: “NAQUELE DIA A CARIDADE DE MUITOS ESFRIARÁ !”

    SÓ está se cumprindo !

  11. Raul disse:

    Atos 13:39: “E de tudo o que, pela lei de Moisés [que foi dada por Deus, incluindo os 10 Mandamentos e compreendendo várias leis morais, civis e cerimoniais], não pudestes ser justificados, POR ELE [Jesus] É JUSTIFICADO TODO AQUELE QUE CRÊ”. Pelo cumprimento completo da lei Mosaica ninguém conseguiu (e nem consegue) ser justificado, MAS PELO CRISTO É JUSTIFICADO TODO AQUELE QUE NELE CRÊ por meio da fé salvífica pessoal que faz o crente nascer de novo (do Espírito), ser feito nova criatura e filho de Deus. Essa é uma mensagem central do Evangelho, a justificação apenas por meio da fé daquele que reconheceu que é pecador, que depende da graça (favor imerecido) de Deus e não dos seus méritos pessoais (onde se pode incluir quaisquer outras obras além das obras da lei). Para confirmar isso, tem-se, na Palavra de Deus: “Não por obras de justiças praticadas por nós, mas segundo a sua misericórdia, ele nos salvou” (Tito 3.5).

  12. Valter Amorim disse:

    Raul e outros:
    – Me mostra nas palavras de Jesus onde o homem é salvo só na fé (crê) sem obras?

    Suas referência é uma colocação de Paulo sobre as obras das leis de Moisés e se essas obras incluissem as boas condutas, ser justo, amar ao próximo e ser caridoso para com os semelhates e fazer mais pelo outros do que para si.

    Poderiamos dizer que existe contradições na biblia pois Tomé afirmou o quê ?

    “Mas dirá alguém: Tu tens a fé, e eu tenho as obras; mostra-me a tua fé sem as tuas obras, e eu te mostrarei a minha fé pelas minhas obras.” ( Tiago 2:18)

    “Porque, assim como o corpo sem o espírito está morto, assim também a fé sem obras é morta.” (Tiago 2:26)

    – E Paulo:

    “Concluímos, pois, que o homem é justificado pela fé sem as obras da lei(rituais).” (Romanos 3:28)

    “E os nossos aprendam também a aplicar-se às boas obras (cristã), nas coisas necessárias, para que não sejam infrutuosos.” (Tito 3:14)

    – Tai a explicação, mais para muitas seitas não é interessante os homens serem solidarios com os homens, para que não sobre tempo para as contas e salario dos pastores destas instituições.

    “E, respondendo o Rei, lhes dirá: Em verdade vos digo que quando o fizestes a um destes meus pequeninos irmãos, a mim o fizestes.
    Então dirá também aos que estiverem à sua esquerda: Apartai-vos de mim, malditos, para o fogo eterno, preparado para o diabo e seus anjos;
    Porque tive fome, e não me destes de comer; tive sede, e não me destes de beber;
    Sendo estrangeiro, não me recolhestes; estando nu, não me vestistes; e enfermo, e na prisão, não me visitastes.
    Então eles também lhe responderão, dizendo: Senhor, quando te vimos com fome, ou com sede, ou estrangeiro, ou nu, ou enfermo, ou na prisão, e não te servimos?
    Então lhes responderá, dizendo: Em verdade vos digo que, quando a um destes pequeninos o não fizestes, não o fizestes a mim.
    E irão estes para o tormento eterno, mas os justos para a vida eterna.” (Mateus 25:40e46)

    – Em quem esta se cumprindo esta profecia ?

  13. Raul disse:

    Para não me estender muito no comentário, dentre os inúmeros versículos da Bíblia que falam sobre o assunto, eu escolhi apenas dois que são bem claros e bem explicativos. Atos 13.39 fala que se pela Lei de Moisés (os Mandamentos, as leis morais, civis e cerimoniais) não pudemos ser justificados, por Jesus é justificado (imputada a justiça de Deus ao homem) todo aquele que nele crê. Muitos importantes versos da Bíblia denotam a importância do “crer” para a salvação do homem. Se a salvação também dependesse de nossos méritos pessoais, a palavra “crer” seria sempre acompanhada da expressão “nossas boas obras” (ou coisa semelhante). E se nossos méritos contam, o valor do sacrifício substitutivo de Jesus na cruz é diminuído ou mesmo anulado! E o que são nossas boas obras, de fato? Já o profeta Isaías falou que todas as nossas justiças (advindas de boas obras) são como trapo da imundícia e as nossas iniquidades como um vento nos arrebatam (Isaías 64.6). O verso que aparece em Tito 3.5 coloca, claramente, que não somos salvos por nossas obras de justiça (boa conduta, caridade, etc.)! E os evangélicos procuram seguir a recomendação de aplicar-se às boas obras (Tito 3.14), pois para isso Deus criou o homem.

    Enfim, para não me alongar mais e fechando o assunto, tirando qualquer dúvida, reproduzo o importante verso de Romanos 11:6 que diz:

    “Mas se é por graça, já não é pelas obras; de outra maneira, a graça já não é graça. Se, porém, é pelas obras, já não é mais graça; de outra maneira a obra já não é obra”.

    Ou seja, se for pelas nossas obras de justiça, a graça de Deus (favor imerecido que nos é entregue) já não é mais graça! Por acaso, Paulo mentiu ou tentou nos enganar? Ele não foi um apóstolo de Cristo e não foi inspirado por Deus para escrever os seus textos?

  14. Valter Amorim disse:

    Raul- Não adianta pegar um texto isolado sem interpretar toda narrativa, leia e explique o que Paulo afirmava:

    “Pois quê? O que Israel buscava não o alcançou; mas os eleitos o alcançaram, e os outros foram endurecidos. (Romanos 11:7)

    Paulo se referia as obras da LEI, pois quem vive da LEI são os judeus.

    Os Cristãos vivem pela graçã, que nada mais é de um novo tempo sob a do EVANGELHO.

    “Assim resplandeça a vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras e glorifiquem a vosso Pai, que está nos céus.” (Mateus 5:16)

    O Cristãos não podem interagir e mudar o mundo sem suas OBRAS, qualquer cristão sem obra se engana, pois é qualquer coisa menos cristão de verdade.

    Não adianta crer em Jesus, e não fazer o que ele mandou.

    O Evangelho:

    “Ouvistes que foi dito(Moisés): Amarás o teu próximo, e odiarás o teu inimigo.

    Eu (Jesus), porém, vos digo: Amai a vossos inimigos, bendizei os que vos maldizem, fazei bem aos que vos odeiam, e orai pelos que vos maltratam e vos perseguem; para que sejais filhos do vosso Pai que está nos céus;” (Mateus 5:44)

    – Quer dizer que ser justo, bom, amavável, caridoso não são atributos do Evangelho de Jesus ?

    “Mas, quando tu deres esmola, não saiba a tua mão esquerda o que faz a tua direita”
    (Mateus 6:3)

    – Como na questão da esmola, que não implica só nela mais em tudo aquilo que for feito ao próximo, dar sem querer nada em troca.
    ______________________________

    – O problema todo é que o catolicismo, espíritismo e outras espiritualistas pregam a justificação por obras, e o protestantismo apenas tenta com sua idéia combater as doutrinas alheias, a todo custo, mesmo pela distorçoes do textos sagrados.

    Todo homem que vive preoculpado com a vida dos outros, não encontra tempo para crescer espiritualmente, porque sua vida é toda concentrado na vida aheia.

    A mesma coisa acontece com as doutrinas religiosa que insistem a viver na ignorância, muitas coisas no protestantismo foi corrigido, como no caso da sua biblia, em que possuia sete livros a menos e que a publicadora e os estudiosos reconheceram o erro, que nada mais era do que um equivoco de Lutero em seguir um concilho judaico que tinha a intenção em combater a propagação do cristianismo.

    Que redicularizava alguns livros, admitindo que o Espíritos Santo não falava em outas linguas além do hebraico.

    Um erro, pois era essêncial isso na época da GRAÇA, pois só assim o Espírito de Deus se interagia no mundo PAGÂO.

    “Está escrito na lei: Por gente de outras línguas, e por outros lábios, falarei a este povo; e ainda assim me não ouvirão, diz o Senhor. (1 Coríntios 14:21)
    _______________

    E assim hoje muitas edições novas já estão com os sete livros a mais, até mesmo com o livro de Enock, e que foi banido pelos rabinos SIONISTAS.

    Espero que a mesma coisa sobre as “OBRAS” seja corrigida em seu meio religioso, pois errar é humano e também um sinal de humildade.

    Abração a Paz a todos !!!!

    1. Tiago disse:

      A paz do Senhor querido Valter Amorim!
      Quando o Senhor Jesus disse “obras” ele não estava falando de guardar as obras da lei como no sentido de merecer a salvação para se tornar filho de Deus, porque esta escrito” se for por obras, não é por graça, doutra sorte a graça já não é graça” “Portanto é pela fé para que seja segundo a graça”; Jesus esta falando da obra como o fruto que caracteriza o filho de Deus, ou seja o identifica, portanto são obras de amor e não obras da lei, que se traduz num legalismo oriundo de uma mente soberba ou incrédula e de doutrina dos homens, note que onde há guarda de doutrinas humanas há normalmente falta de amor para com o próximo, contendas, dissenssões, eresias etc. O próprio Jesus disse: por seus frutos os conhecereis;
      Quem crer no Senhor Jesus estará capacitado a fazer pelo poder do Espírito Santo, todas as obras de amor para com o próximo que ele requer porque será guiado pelo espírito de Deus, e aquele que é guiado pelo Espírito de Deus, este é filho de Deus; No ultimo dia as pessoas que ficarão confundiadas serão exatamente as pessoas que pensam servirem a Deus, mas se contradizem, e Jesus lhes dirá; Apartai-vos de mim porque estive nú e não me vestisse, estrangeiro e não me ospedaram enfermo e na prisão e não fostes ver-me; E francamente quantas são as ovelhas desamparadas que reclamam da falta de amor, lideres religiosos não as visitam, não as ajudam, menospresam os outros, se acham grandes enquanto são tão pequenos e faltosos de amor diante de Deus, se acham tão próspero enquanto muitos empobrecem debaixo de seus pés, olhemos para as palavras de Jesus, será que ele se contradiziria e passaria a mão na cabeça dessa geração por sua falta de amor e misericórdia, é hora de analisarmos a nós mesmos e voltarmos ao primeiro amor e ao verdadeiro evangelho e nos motivarmos no amor.

    2. Rogerio disse:

      SENSACIONAL sua resposta caro irmão. No outro texto sobre seitas nosso irmão Raul em determinado momento, sem respostas, tentou finalizar o assunto. Vejo aqui novamente quando se viu sem respostas, também tentou finalizar o assunto. Isso prova que, entre aspas, “a bíblia está do lado de todos” e não só dos evangélicos. É fato que toda vez que conversamos sobre a bíblia com nossos irmãos evangélicos e eles vêm que temos também o estudo, fecham o assunto. É comum aos domingos testemunhas de jeová apertarem a campainha da minha casa e não conversar 5 minutos comigo, pois no minuto 3, eu já cite por A mais B a bíblia fazendo com que os próprios se contradize-se. Mas no final, a resposta é a mesma:

      Enfim, para não me alongar mais e fechando o assunto,

      1. valtemir disse:

        crente da assebleia de deus e catolico pramim e a mesma coisa sao tudo sem entendimento.

      2. Raul disse:

        É, Rogério. Não esperava isso de você. Cadê o amor e o respeito que você diz ter pelo próximo, amor esse inspirado pelo Espiritismo e a Umbanda, quando você me critica aqui, sem que eu tivesse lido o comentário do Valter? Onde ficou sua humildade inspirada em Kardec, Chico Xavier, etc? Você parece estar só tentando se mostrar vitorioso num debate, sem querer ponderar sobre as colocações de minha parte ou reconhecer os pontos em que tenho razão quando falamos de Deus, da Bíblia e do mundo evangélico. Eu tentei finalizar o debate, porque, como eu tinha dito, iria “congestionar” o espaço do fórum, com um vai e vem de comentários que não terminam nunca. E quanto à questão das boas obras e da fé, a Bíblia afirma que as boas obras têm de ser buscadas por nós, precisamos procurar fazê-las, mas elas não são essenciais (pré-requisito) para a nossa salvação pois esta salvação depende da misericórdia e da graça de Deus para conosco e não dos nossos méritos, pois todos os nossos “méritos” não são suficientes para alcançarmos a vida eterna na presença de Deus. Continuamos pecadores (mesmo com todos os nossos “méritos” somados em toda a nossa vida) e Deus é absolutamente santo. E pecador precisa de salvação do poder do pecado por meio do sacrifício substitutivo de Jesus, pagando o preço do nosso pecado em nosso lugar!

  15. Raul disse:

    Quando morremos, fisicamente, estamos na condição de pecadores. Mesmo se juntarmos todas as nossas boas obras feitas durante toda a nossa vida, elas não serão suficientes para justificar, plenamente, a nossa coabitação com Deus, na eternidade, pois, ao final, morremos pecadores e, nessa condição, não podemos coabitar com Deus, que é absolutamente santo, sem pecado. Deus não aceita o pecado. Morremos tendo feito algumas boas obras, porém tendo cometido inúmeros pecados. Com isso, o nosso saldo é devedor diante de Deus! Só o pecador arrependido e salvo pela misericórdia e graça divina pode coabitar com Deus, na eternidade. Assim, o pecador precisa de salvação do poder do pecado dada por meio do sacrifício substitutivo de Jesus, que pagou o pesado preço dos nossos pecados (a eterna separação de Deus, a condenação) em nosso lugar. A justiça de Deus é, então, imputada ao pecador que creu e se arrependeu, sem depender da medida de boas obras que o pecador conseguiu realizar. Mas tudo isso não indica que as boas obras devam ser negligenciadas. Devemos, com todo o nosso empenho, buscar praticá-las pois foi para as boas obras que fomos criados por Deus.

    1. Tiago disse:

      Primeiro amado, deixe me apresentar, meu nome é Tiago, cuido que tenho sido usado por Deus para levar boas novas na internet, e assim salvar a muitos pela palavra de Deus, contudo não sou eu quem salva, mas sim o conhecimento de Deus é quem salva os homens.
      Sobre as boas obras deixe-me esclarecer-vos; elas não são más, são boas, o problema é a ordem e a posição que ela pode tomar no entendimento humano. A bíblia diz que pela graça somos salvo pela fé, e não vem de nós, é dom de Deus, não vem das obras, para que ninguém se glorie, mas que somos feitura sua criado para boas obras.
      Primeiro, Deus nos deu plena salvação por Cristo, gratuítamente, somente nEle há a salvação, é importante notar que a salvação não vem de nós, é dom de Deus, e nem a fé que salva vem de nós, também é dom de Deus, é isto que precisamos saber, nossos esforços não irão nos salvar.
      O ser humano dem grande dificuldade em acreditar em algo que possa ganhar gratuítamente, isto acontece por causa do pecado, por isto estamos sempre desconfiando dos governos, das instituições lotéricas, dos planos de aposentadoria, e das soluções que constantemente se nos apresentam como algo bom, isto trás sempre um estado de insegurança, é natural, pois as vezes confiar no homem é perigoso.
      Note que todos nós ao nascermos, já somos salvos, pois não temos noção de certo ou errado, concequentemente não estamos debaixo da lei;
      Mas quando crescemos, o nosso entendimento nos poem em choque conosco, ja nos afirmam, nada vem fácil, aqui se faz aqui se paga, vem fácil, vai fácil, mas nem sempre é assim.
      Vejamos então que a maior dificuldade do homem é acreditar em algo bom que vem sem merecimento, contudo é exatamente isto que Deus quer que você acredita: que você tem a vida eterna por Jesus, que ela não pode ser tirada de você, que você é filho dele como ao princípio, quando ele te formou e eras inocente; Este princípio simnples é rejeitado por muitos e é este a chave da vida eterna, e esta entrega te libertará do poder da lei e então, do poder do pecado; a incredulidade é o maior pecado do homem, e por causa dela, toda sorte de servidão lhe é imposta, mas para quem está em Cristo, há novidade de vida, e não esta mais debaixo da lei, o pecado não lhe dominará mais, isto acontecerá naturalmente, se sois livre da lei, és servo de cristo, se parais de querer merecer a vida eterna, sois filho de Deus, e fazeis o bem não para merecer a vida, mas porque ja a tens, aí sim cupriste a lei, e mesmo assim esta lei não é as ordenanças da lei de moises mas sim a lei da misericórdia e do amor para com as fragilidades humanas

  16. Sebastião disse:

    O mau dos protestantes é que eles acham que as escrituras é um livro. as escrituras são a palavra de Deus transmitidas aos profetas e são eles que anunciaram a vinda de jesus. por isso, não conhecer as escrituras (o que falaram os profetas) é não conhecer a jesus, já que os profetas o anunciaram. além do mais, na época de jesus o povo não tinha acesso aos escritos. o povo apenas escutava os sacerdotes que liam os grandes e pesados pergaminhos. os livros do antigo testamento não eram como são hoje, que cabem na palma da mão. eram grandes e pesados e não estavam disponíveis a quem quisesse lê-los, pois não havia como reproduzi-los, já que a imprensa não havia sido inventada. temos esses livros tal como conhecemos hoje graças à imprensa. a bíblia não é um livro e sim o próprio jesus. o protestantismo é uma religião de um livro, enquanto que a igreja católica é uma religião do corpo de cristo, que nos foi transmitidos pelos apóstolos e seus sucessores. Ora, os pagãos não se converteram quando leram a bíblia, mas se converteram quando ouviram falar sobre as maravilhas realizadas por jesus através dos ensinamentos transmitidos pelos apóstolos oralmente. Quem reuniu e quem determinou quais livros do novo testamento eram sagrados foi a igreja católica, e isso os protestantes não podem negar porque é história. Só para se ter uma ideia, muitos livros foram escritos na era apostólica e após ela, alguns eram, inclusive atribuídos a sua autoria a algum apóstolo, sem sê-lo, como é o caso do apocalipse de Pedro, evangelho de Maria Madalena, etc,. e até livro atribuído a própria autoria a jesus, como a carta de jesus ao rei abgaro (Abgaro V ou Abgarus V de Edessa (reinou entre 4 AC – 7 DC e 13 – 50 DC) foi rei do reino de Osroena, situando a sua capital em Edessa, na Mesopotâmia (actual Síria), também designada por Aram-Naharaim no Velho Testamento. De acordo com uma lenda muito antiga, Abgaro foi convertido ao Cristianismo por Addai,1 um dos Setenta e Dois Discípulos de Jesus (em Lucas 10:1-20)). era uma bagunça só. foi a igreja católica quem botou ordem nisso tudo e definiu quais livros constituíram o novo testamento. Sem a igreja católica não teríamos o novo testamento e se tivéssemos, teríamos cem livros ou mais, cada um com suas loucuras. A única forma dos protestantes voltarem ao cristianismo autêntico é voltar para a igreja católica, pois é a única que está alicerçada nas promessas de cristo, a de que estaria com a igreja até o final dos tempos.

    1. Tiago disse:

      Filhinhos, respondendo a vossas perguntas sobre a religião católica e também outras religiões:
      Primeiramente esclarecerei a questão da palavra de Deus;
      Na bíblia diz que a palavra de Deus é viva e eficaz, isto nos leva a pensar que embora tenhamos livros, bíblias, e qualquer outro recurso didático, vemos que a afirmação está no presente ativo, “é viva”, não é o que aparenta ser e sim o que ela é de fato, não é o que alguns tiraram ou deixaram de imprimir, mas é o que foi e será nestes ultimos dias, e é revelado sempre aquele crer, é o filho sendo revelado a cada criatura que crer, Paulo disse: “porque eu recebi do Senhor, o que também vos entreguei”, e ainda diz: O mesmo Espírito testifica com o nosso espírito que somos filhos de Deus, a palavra de Deus portanto é o próprio filho de Deus se revelando aos que crer, isto vira a você, fará parte de você, e você o reconhecerá, ” as minhas ovelhas ouvirão a minha vós” “eu irei para eles” “quem crer em mim se fará nele fonte de água viva a jorrar para a vida eterna” Portanto a palavra de Deus não é um conjunto de regras e leis e também não é sequer a própria Lei de Moisés que foi posta pelos anjos na mão de um medianeiro, mas a palavra de Deus para nós nestes últimos tempos é o próprio Jesus, o filho, e dele testifica a lei e os prófetas, mas não estamos mais debaixo dela, e nestes últimos dias ele próprio pessoalmente nos fala, ele é a palavra, a verdade e a vida, o caminho, etc. então parem de amontoarem ordenanças e estatutos como se ainda estivésseis no mundo tais como: “não próveis, não toqueis, não manuseies”, isto é evangelho, foi revelado para Paulo e é revelado também para vocês se crerem, viram, isto que é a palavra de Deus para estes dias e não moisés e os profetas, eles ja passaram, nos apontaram estes dias para que vivamos ele: “E acontecerá que nos ultimos dias derramarei do meu Espírito sobre toda carne” qUEM TEM OUVIDOS PARA OUVIR QUE OUÇA

    2. Pr. Guedes disse:

      Caro Sebastião, não resta dúvida que a igreja católica teve um papel importante na escolha dos livros do NT, porém isso não isenta a Igreja Católica de outros erros cruciais em termos de doutrina. Acrescente-se a isso o fato de incluírem os livros apócrifos na contra-reforma somente para afrontar os protestantes e contradizer, principalmente, as ideias de Lutero. Pergunto: se a opinião da igreja acerca desses seis livros (Judite, Tobias, Eclesiástico, Sabedoria, I e II Macabeus e parte do livro de Daniel) era tão clara por que não o fizeram durante os primeiros concílios, mas somente no período da Reforma?

      Não pretendo discutir a fundo essa questão porque debates como esses têm separado grandes amigos e criado muitas inimizades no meio religioso, o que não é minha intenção.

      Forte Abraço.

  17. MAGDA MARIA VICENTE disse:

    EU JÁ SOU DE CRISTO TENHO A COROA DA VITORIA E O AMOR DE DEUS PORQUE ELE E O DONO DA OURO E DA PRATA. DEUS NOS DA COISAS PEQUENAS MAS DA TAMBEM COISAS GRANDES.E SO CRER

  18. eu disse:

    sebastião é claro q as obras é importante p/ Deus e nós cristãos temos q fazer sim,mas só q obras não traz a salvação e sim a fé em Jesus,leia Efésios 2.8 Porque pela graça sois salvos,mediante a fé;isto não vem de vós(eu você Sebastião) é dom de Deus.Você vai discutir com DEUS? O ladrão q estava ao lado de Jesus na cruz foi salvo pela fé em Jesus e ele não teve boas obras,leia mais a Bíblia e tenha mais atenção e peça direção do Espirito Santo q te de entendimento não por mim,mais p/ a sua salvação,sou de outra denominação evangélica,mais com o mesmo entendimento dado pelo Espirito Santo de Deus.

  19. GLEUSON disse:

    assembleia pregar salvação por obra. usando seu livre arbítrio, mas não sabe que o homem esta morto espiritual sem condições de chegar a Deus. efésio cap 02 1 a 10

    1. mayrink disse:

      o q vc está falando ,ninguem disse q é só obras ,Jesus morreu na cruz porque?

  20. Ricardo Copelli disse:

    A Salvação é pela fé. E a fé produz obras.
    As obras são evidências de quem é salvo. E não condições para que sejamos salvos.

  21. Linda Marcia Oliveira disse:

    A própria fé em Jesus Cristo, o próprio Espírito Santo que habita em nós nos leva a fazer obras por pura gratidão, gratidão por tudo que Jesus fez e continua fazendo por nós, a caridade passa a fazer parte da nossa vida cristã, simples assim. Eu por exemplo faço com este propósito, agradecer a Deus. Não nos preocupamos em fazer obras para ir para o céu, pois sabemos que é através da fé e da vida que levamos ao lado de Jesus, obedecendo seus ensinamentos é que iremos para o céu morar com Ele. Abç.

Deixe uma resposta para GLEUSON Cancelar resposta

Inscreva-se em nossa newsletter