As Seis Vestes de Jesus

Norbert Lieth   •   16 Dezembro, 2010
DestaqueNotícias
Há algum tempo visitei o Wartburg, o castelo onde Lutero traduziu a Bíblia. Há muitas coisas interessantes para ver ali – além da sala onde Lutero trabalhou. Por exemplo, nas paredes há retratos de todo tipo. Chama a atenção que as mulheres se apresentam em seus melhores trajes. E os homens usam vestimentas ricamente enfeitadas com medalhas, ou então magníficos uniformes ou armaduras. As pessoas faziam-se retratar em toda a sua dignidade, principesca ou real. Diz o ditado popular: “O hábito faz o monge”. De fato, muitas vezes as roupas dizem algo a respeito do caráter de uma pessoa, suas idiossincrasias ou preferências. É bem verdade que há pessoas ricas e influentes que se vestem de forma simples, mesmo que os tecidos que usam sejam muito caros. Assim, uma simples olhada de relance realmente pode dar uma impressão errada. As estrelas e celebridades da nossa época normalmente não poupam esforços nem dinheiro a fim de se apresentarem com as melhores e mais chamativas roupas, apenas para continuarem in e para que se fale delas. Como o Senhor Jesus, o Rei dos reis e Senhor do senhores, estava vestido no dia de Sua morte (crucificação)? Ele usou seis vestimentas diferentes. Em minha opinião, Deus quer nos transmitir uma mensagem por meio delas. Vamos analisá-las uma a uma.

A roupa resplandecente

As estrelas e celebridades da nossa época normalmente não poupam esforços nem dinheiro a fim de se apresentarem com as melhores e mais chamativas roupas, apenas para continuarem in e para que se fale delas.
Quando Pôncio Pilatos descobriu que Jesus era da Galiléia, e que Herodes, cujo domínio incluía a Galiléia, estava em Jerusalém naquele momento, ele enviou o Senhor até Herodes (Lc 23.6-7). Fazia tempo que este desejava ver um sinal milagroso realizado por Jesus. Mas como o Senhor não respondeu às suas perguntas (v.9) nem realizou milagres, o aparente interesse por Jesus imediatamente se transformou em zombaria e gozação: “E Herodes, com os seus soldados, desprezou-o, e, escarnecendo dele, vestiu-o de uma roupa resplandecente, e tornou a enviá-lo a Pilatos” (v.11, RC). Outras traduções chamam esta roupa de “manto esplêndido”, “manto branco” ou “manto real”. É óbvio que Herodes queria usar isso para expor a reivindicação da realeza de Jesus ao deboche público. Pois, pouco antes Jesus tinha respondido à pergunta de Pilatos: “És tu o rei dos judeus?” com “Tu o dizes” (v.3). Todo o Sinédrio reunido naquele lugar tinha escutado essas palavras, e os mesmos homens agora acusavam Jesus diante de Herodes, com certeza também pela Sua reivindicação de ser o Rei dos judeus (cf. Lc 23.3,10). Com esta roupa resplandecente que Herodes tinha mandado que vestissem em Jesus, ele O tinha exposto à zombaria das pessoas. Elas zombavam dEle por causa daquilo que Jesus realmente era: o Rei dos judeus; a verdade absoluta e comprovada a respeito de Jesus foi debochada. Algo muito parecido acontece hoje: inúmeras publicações sobre Jesus arrastam a verdade a respeito de Sua Pessoa na lama. Nenhuma outra religião é tão vilipendiada quanto o verdadeiro cristianismo, pois a mensagem do Evangelho de Jesus Cristo que ela prega é a verdade. Por trás disso está o pai da mentira, o diabo (Jo 8.44), que combate essa verdade com todos os meios de que dispõe.
Inúmeras publicações sobre Jesus arrastam a verdade a respeito de Sua Pessoa na lama. Nenhuma outra religião é tão vilipendiada quanto o verdadeiro cristianismo.
A roupa resplandecente colocada sobre Jesus também significa que o Senhor tomou sobre si todos os pecados, mesmo aqueles que o ser humano tanto gosta de usar, mas que não o fazem feliz: roupas maravilhosas, esplêndidas, e jóias preciosas. Os homens gostam de se apresentar com elas, mas, na maioria das vezes, por baixo só estão escondidos egoísmo, orgulho e uma ambição ilimitada. A “roupa resplandecente” dos homens tenciona esconder a sua miséria e natureza pecaminosa, o “manto branco” precisa ocultar a hipocrisia, o “manto esplêndido” tenta neutralizar o mau cheiro da debilidade humana e o “manto real” procura testemunhar imortalidade, mesmo que o ser humano seja totalmente mortal. Jesus vestiu, tomou sobre si e carregou tudo isso. Agora Ele transforma qualquer pessoa que crê nEle em “rei e sacerdote” (cf. Ap 1.5-6).

O manto escarlate

Depois que Pilatos tinha mandado açoitar Jesus (Mt 27.26), o texto continua: “Logo a seguir, os soldados do governador, levando Jesus para o pretório, reuniram em torno dele toda a coorte. Despojando-o das vestes, cobriram-no com um manto escarlate” (vv. 27-28). Outras traduções falam em “manto de púrpura”, “capa de soldado púrpura” ou “manto vermelho”. Tratava-se de uma capa vermelha do tipo usado por soldados. Foi uma capa dessas
O “manto vermelho” proclama que o homem não se entende com seu próximo, que há apenas brigas entre eles. Ele nos lembra assaltos, violência, poder desmedido e injustiça, assassinatos e homicídios e o espírito assassino inventivo da humanidade.
que colocaram nos ombros de Jesus. Sem saber, em seu deboche e zombaria os soldados fizeram algo cujo significado mais profundo indica o motivo do sacrifício de Jesus. Afinal, o “manto vermelho” ou “escarlate” nos lembra todo aquele sangue derramado sobre a terra, as incontáveis guerras e as muitas vítimas inocentes. Ele proclama que o homem não se entende com seu próximo, que há apenas brigas entre eles. Ele nos lembra assaltos, violência, poder desmedido e injustiça, assassinatos e homicídios e o espírito assassino inventivo da humanidade. Ele nos lembra as grandes guerras (entre os povos) e as pequenas guerras (nas famílias, entre vizinhos, etc.). O “manto escarlate” do soldado representa ódio e vingança, retaliação, busca por poder e exercício da tirania. Mas ele também expressa que o homem não vale nada para os outros homens. Esse “manto vermelho do soldado” deveria estar sempre diante dos nossos olhos. Jesus quis tomar nossa culpa sobre si de forma voluntária, e fez isso de forma conseqüente. Essa era a Sua missão, a Sua tarefa. Jesus tomou sobre si a culpa de todas as discórdias do relacionamento humano, todo ódio e todo assassinato: esta é a verdade ilustrada pelo “manto vermelho do soldado”, que Ele permitiu que fosse colocado em Seus ombros.

Suas próprias roupas

“E, depois de o haverem escarnecido, tiraram-lhe a capa, vestiram-lhe as suas vestes e o levaram para ser crucificado” (Mt 27.31, ACF). As roupas de Jesus eram feitas por mãos de homem, para serem usadas por homens; eram de material terreno. Jesus usou essas roupas durante a Sua vida. Sendo Deus, Ele vestiu essa “roupa” para se tornar completamente homem. Ele praticamente “vestiu nossa pele” e assumiu humanidade completa. E como Jesus usou essas roupas feitas por homens, elas também realizaram milagres. Uma mulher tocou a bainha da Sua roupa e imediatamente ficou curada (Mc 5.25ss.). As roupas de Jesus indicam que Ele se tornou homem, e nos ensinam que Ele quer tornar a nossa humanidade completa. E quando nós O convidamos a preencher nossa humanidade, Cristo, a esperança da glória (Cl 1.27), vive em nós. Suas roupas se transformaram em símbolo da redenção, pois quatro soldados as tomaram e dividiram entre si (Jo 19.23). As roupas de um condenado à cruz eram despojos dos carrascos. Assim, as roupas de Jesus, crucificado vicariamente pela nossa culpa, transformaram-se em “vestes de salvação” para nós (Is 61.10). Tiraram dele a “capa” e “vestiram-lhe as suas vestes”. Jesus não era nem como Herodes (manto esplêndido) nem como os soldados (capa). Ele os usou e depois foi despido delas. Mas Ele continuou sendo verdadeiro homem.

A túnica

“Os soldados, pois, quando crucificaram Jesus, tomaram-lhe as vestes e fizeram quatro partes, para cada soldado uma parte; e pegaram também a túnica. A túnica, porém, era sem costura, toda tecida de alto a baixo. Disseram, pois, uns aos outros: Não a rasguemos, mas lancemos sortes sobre ela para ver a quem caberá – para se cumprir a Escritura: Repartiram entre si as minhas vestes e sobre a minha túnica lançaram sortes. Assim, pois, o fizeram os soldados” (Jo 19.23-24).
A túnica de Jesus não tinha costuras. O sacerdócio de Jesus é indivisível, não há nenhuma costura que possa ser desfeita, ele é uma unidade.
O texto diz expressamente que essa túnica tinha sido tecida sem usar qualquer costura. As roupas do sumo sacerdote também eram feitas dessa forma: “Farás também a sobrepeliz da estola sacerdotal toda de estofo azul. No meio dela, haverá uma abertura para a cabeça; será debruada essa abertura, como a abertura de uma saia de malha, para que não se rompa” (Êx 28.31-32). A diferença estava no fato de que o sumo sacerdote usava essa peça por cima de todas as outras, e Jesus a usava por baixo. Isso também tem um significado mais profundo: Jesus Cristo é o verdadeiro Sumo Sacerdote, ainda ocultado. Ele veio ao mundo como Filho de Deus e revelou-se como Messias de Israel em Seus atos. Mas era preciso que também ficasse claro que Ele era mais que isso: o eterno Sumo Sacerdote de Seu povo. No fim de Sua vida ficou claro qual era o Seu destino inicial. O povo celebrou-O como Filho de Davi, louvou-O como Messias e grande Profeta. Contavam com a vitória sobre os romanos e o estabelecimento de um reino messiânico. Mas eles não perceberam que primeiro Jesus teria de morrer pelos pecados dos homens, como o Cordeiro de Deus. Podemos chegar a Ele, o Senhor crucificado e ressuscitado, com toda a nossa culpa. Ele intercede por nós, é nosso Advogado diante do Pai celeste: Seu sacrifício vale perante Deus. Jesus é tudo de que nós precisamos! A túnica de Jesus não tinha costuras. O sacerdócio de Jesus é indivisível, não há nenhuma costura que possa ser desfeita, ele é uma unidade. Seu sacerdócio não pode ser dividido com Maria, outra assim chamada mediadora, nem com os sacerdotes eclesiásticos, nem com o papa nem com nenhuma outra religião. Somente Ele é o eterno e verdadeiro Sumo Sacerdote, o único Mediador entre Deus e os homens (cf. 1 Tm 2.5-6).

O pano

Como Jesus fora despido de Suas roupas e de Sua túnica, Ele ficou dependurado na cruz coberto apenas por um pano. Estava praticamente nu. O Salmo 22.17-18 O descreve desta forma: “Posso contar todos os meus ossos; eles me estão olhando e encarando em mim. Repartem entre si as minhas vestes e sobre a minha túnica deitam sortes”. Hermann Menge traduziu a última parte do versículo 17 desta forma: “...mas eles olham para mim e se deleitam com a visão”. A nudez retrata pecado e vergonha. Ela personifica o pecado original. Desde Adão todos nós nascemos em pecado, por isso chegamos ao mundo nus. Em Gênesis 3.7 lemos: “Abriram-se, então, os olhos de ambos; e, percebendo que estavam nus, coseram folhas de figueira e fizeram cintas para si”. Adão disse a Deus: “Ouvi a tua voz no jardim, e, porque estava nu, tive medo, e me escondi” (v.10). E Deus respondeu: “Quem te fez saber que estavas nu? Comeste da árvore de que te ordenei que não comesses?” (v.11). O primeiro Adão pegou o fruto proibido da árvore, e tornou-se o pecador cuja iniqüidade pesa sobre todos os homens. O último Adão foi pendurado num madeiro e “feito pecado” (2 Co 5.21). Jesus tomou sobre si a culpa original do pecado a fim de eliminar a culpa do homem. Quem crê em Jesus não tem somente o perdão de seus pecados, mas também do pecado original, no qual todos nós nascemos.

Os lençóis

“Tomaram, pois, o corpo de Jesus e o envolveram em lençóis (de linho) com os aromas, como é de uso entre os judeus na preparação para o sepulcro” (Jo 19.40). O linho era usado nas vestes sacerdotais (Lv 6.10). Também os tapetes, toalhas e cortinas do tabernáculo eram feitos de linho (Êx 26.1,31,36; cf. também 1 Cr 15.27). Era costume que os judeus mortos fossem sepultados enrolados em lençóis de linho. Jesus foi “sepultado” como um verdadeiro judeu. Mais tarde, quando Jesus ressuscitou, o texto diz: “Então, Simão Pedro, seguindo-o, chegou e entrou no sepulcro. Ele também viu os lençóis, e o lenço que estivera sobre a cabeça de Jesus, e que não estava com os lençóis, mas deixado num lugar à parte” (Jo 20.6-7). Em minha opinião, os lençóis nos lembram as obras da lei, o sacerdócio do Antigo Testamento, o tabernáculo, as leis e prescrições, as obras e os esforços dos judeus que seguiam a lei. Jesus foi colocado no túmulo envolto em linho, mas na Sua ressurreição Ele deixou os lençóis para trás. Ele cumpriu a lei de forma completa. Ele é o cumprimento da lei (Mt 5.17). Nele qualquer pessoa que Lhe pertença é tornada completa.

Aplicação pessoal

Jesus usou o manto esplêndido de Herodes, o orgulho e a soberba da humanidade sem Deus. O Senhor permitiu que Lhe colocassem o manto vermelho dos soldados, o ódio abismal e a brutalidade do ser humano. Jesus usou Suas próprias roupas: Ele se tornou completamente homem. Ele usou uma túnica sem costuras: Ele é o verdadeiro Sumo Sacerdote. Na cruz Ele foi coberto somente com um pano. Jesus levou não somente os pecados, mas o pecado original. Na morte o Senhor usou os lençóis de linho, depois despidos na ressurreição. Jesus é o cumprimento da lei. Agora toda pessoa renascida é chamada a despir o velho homem e vestir o novo homem em Cristo: “...[despojai-vos] do velho homem, que se corrompe segundo as concupiscências do engano, e [renovai-vos] no espírito do vosso entendimento, e [revesti-vos] do novo homem, criado segundo Deus, em justiça e retidão procedentes da verdade” (Ef 4.22-24). “...revesti-vos do Senhor Jesus Cristo” (Rm 13.14). Publicado anteriormente na revista Chamada da Meia-Noite, março de 2007.

Norbert Lieth

  1. Leila Halat disse:

    Palavra tremenda, que todos possamos nos despojar do velho homem, e revestimos de retidão , justiça e do amor de Jesus.

  2. josenildo disse:

    aleluia!!! podem procurar outro , porém não se achará, este é o rei dos reis para todo sempre amém.

    1. Antonio Carlos Pereira da Cruz disse:

      Quero saber se no arrebatamento da igreja a nossa roupa será transformada ?

  3. sergio paes leme disse:

    glórias sejam dadas ao Deus altíssimo e que ele possa continuar nos enriquecendo com estes entendimentos maravilhosos de sua palavra, almentando assim a nossa fé.

  4. Claudio Soares disse:

    Interessante o seu texto e eu fiquei muito interessado. Mas onde tem na bíblia, que Jesus usava a túnica por baixo das outras peças, onde fala? O senhor poderia me ajudar?

    1. felipe satos disse:

      eu sol um poeta que não aprendi a mar mas por causa de que eu tenho paz no mel corasão eu consigo amar eu tu e todos

    2. Pr. Guedes disse:

      Olá Cláudio, a Paz do Senhor!

      Isso pode ser verificado em João 19.23,24 em cumprimento ao Salmo 28.11. Havia uma lei romana que dizia que os soldados poderiam se apossar das vestes daquele que estava para morrer. Essa túnica, porém, era sem costura e tinha muito valor comercial, por isso os soldados não quiseram rasgá-la e também por isso lançaram sortes sobre ela.

      Abraço e Paz!

      1. Claudio Soares disse:

        A paz do Senhor. Sem querer incomodar com a minha falta de entendimento, mas não diz na passagem, que a túnica ficava pra dentro, ao invés de pra fora como a dos outros sumos sacerdotes, só diz que ela não tinha costura.

        1. Pr. Guedes disse:

          Irmão Cláudio, a Paz!

          Não sei a que parte do texto o irmão se refere quando afirma que o texto diz que a túnica ficava por dentro: o texto bíblico ou texto do post?

          No post o autor fala das vestes reais que Pilatos mandou colocar em Jesus, sobre as vestes que Ele já trazia: Com esta roupa resplandecente que Herodes tinha mandado que vestissem em Jesus, ele O tinha exposto à zombaria das pessoas. Elas zombavam dEle por causa daquilo que Jesus realmente era: o Rei dos judeus; a verdade absoluta e comprovada a respeito de Jesus foi debochada.” e outra vez: A roupa resplandecente colocada sobre Jesus também significa que o Senhor tomou sobre si todos os pecados, mesmo aqueles que o ser humano tanto gosta de usar, mas que não o fazem feliz: roupas maravilhosas, esplêndidas, e jóias preciosas. Os homens gostam de se apresentar com elas, mas, na maioria das vezes, por baixo só estão escondidos egoísmo, orgulho e uma ambição ilimitada.”

          Seria isso? Será que isso responde a dúvida do irmão?

          Deus lhe abençoe.

          Abraço.

          1. Claudio disse:

            A paz do Senhor. É que eu não vi nos evangelhos dizendo que Jesus usava a túnica por baixo das outras peças de roupa, como o senhor afirma no seu texto. E eu gostaria de saber como o senhor chegou a essa conclusão. Porque tou pesquisando como seria realmente o Senhor Jesus Cristo, como ele vivia. Porque o que sei que ele é bem diferente do que estamos acostumados a ver como sendo Ele. Desde já agradeço pela atenção dispensada as minhas dúvidas

          2. Pr. Guedes disse:

            A Paz do Senhor Irmão Cláudio!

            Bem, em primeiro lugar o texto não é meu. Peço desculpas se por algum momento dei a entender tal coisa. O artigo é de Norbert Lieth e consta no final do post. Eu apenas ajudo na moderação dos comentários no site e procuro responder algumas questões ligadas à Bíblia ou Doutrina.

            Como o Amado está muito interessado no assunto, quero lhe enviar um site que, creio eu, vai lhe ajudar:
            http://peregrinodecristo.blogspot.com.br/2011/11/o-vestuario-dos-tempos-biblicos.html

            Deus lhe abençoe e boa pesquisa.

            Abraço.

  5. rebca disse:

    a PAZ é defisio de ter meis com amor e carinho no corasão de cada um de nos pode muda

  6. jose a teixeira disse:

    aleluia. jesus e bom de maissssssssssssssssssssssssssssssss…………………………

  7. carlos gomes disse:

    muito completo…..!
    tinha minhas duvidas que a tunica era de pilatos. mas esclarecido que tunica é uma…. e a capa do soldado era outro…..
    e a tonica de JESUS por ser sacerdotal, sem costura ñ foi dividida…..
    pré-leitura muito completa é compreensiva…..

  8. mafrancisca v reis disse:

    graças a DEUS, que encontrei esta pregaçao e vi a grande importancia das milagrosas vestes de JESUS. Obrigada meu DEUS.

  9. Raimundo Nonato Ferreira disse:

    eu gostei muito deste estudo, por favor! envie para meu twitt. pastorevangelistaraimundo@hotmail.com.br

    1. Pr. Guedes disse:

      Amado Irmão Raimundo, louvamos a Deus por sua vida.

      Estamos enviando para o seu email.

      Deus abençoe a sua casa.

  10. Cleidimar Santos Rodrigues disse:

    Acho que houve um erro de digitação, porque no salmo 28 não existe o versículo 11. E não fala acerca das vestes de Jesus e sim o salmo 22.18.

    1. Pr. Guedes disse:

      Prezada Irmã Cleidimar, a Paz do Senhor!

      Desculpe, mas não vi nenhuma referência ao Salmo 28 no texto e o versículo 11 que a senhora viu, diz respeito a Gênesis 3 e não ao Salmo 28. Quanto a sua citação do Salmo 22, está correta.

      Deus lhe abençoe.

  11. WILSON MAIA DOS SANTOS disse:

    Pr. Guedes, tudo bem? A dúvida do irmão Cláudio procede. No post está escrito da seguinte forma: (vou copiar e colar) “A diferença estava no fato de que o sumo sacerdote usava essa peça por cima de todas as outras, e Jesus a usava por baixo.” (extraído do tópico em que se fala da “túnica”. Portanto, o que o irmão Claudio queria saber e também eu, qual seria a fonte dessa informação? Desde já agradecido pela postagem de tão rico conteúdo. Um grande abraço!

    1. Pr. Guedes disse:

      Amado irmão Wilson, a Paz do Senhor.

      Entendi. Lendo o artigo não encontrei as fontes, mas acredito que ficou subentendido e que o autor citou por inferência, uma vez que Jesus tinha uma veste exterior cuja orla, ao ser tocada pela mulher do fluxo de sangue, serviu de instrumento para curá-la por sua virtude.

      Deus abençoe o Amado.

  12. EMERSON LEME DA SILVA disse:

    COM ENSINO ENTENDEMOS O QTO JESUS É MARAVILHOSO.

  13. Paulo Henrique disse:

    Que maravilha… só Jesus pra fazer isso msm por nós !!

  14. Nelson disse:

    Se foram tiradas as suas vestes, por óbvio, Jesus ficou despido, nu; Ao ser Nele colocada a túnica, por óbvio foi a única veste, logo usou por baixo e não por cima de outra roupa tal como faziam os sumo sacerdotes.

  15. Filho de Deus disse:

    Infelizmente muitos falsos profetas tem descrito uma falsa verdade a respeito do verdadeiro Deus e seu FIlho Jesus. A roupa que Jesus utilizou aquele período antes de tudo não tinha marca, era simples e uma vestimenta que poderia ser comparada a um SACO de ARROZ, e isso me faz questionar a todos os dias onde e por que nós valorizamos tanto vestimentas caras, casas, e posses, e dizemos que seguimos a verdadeira palavra da simplicidade. Será que mentimos para nós para atendermos ao nosso EGOÍSMO? Alguém já se perguntou por que Jesus não tinha CASA, e dormia ao RELENTO? Será que de fato nós fazemos o que é certo quando compramos uma terra que não é nossa? Tenho visto diariamente pessoas USANDO a BÍBLIA PARA SE ESCONDER e não para seguir a verdadeira palavra. Por que fazem tanto isso? Será que o DEMÔNIO tem mais valor nas atitudes da humanidade do que DEUS e seu FILHO? Por que toda a humanidade escolhe sempre o materialismo e o EGOÍSMO e usa o nome de JESUS EM VÃO? Apenas desejo sorte aos ESPERTOS.

Deixe uma resposta

Inscreva-se em nossa newsletter